Ozanet

Ano B - Vigésimo Nono Domingo do Tempo Comum

A partir de Domingo, 17 Outubro 2021 até Sábado, 23 Outubro 2021

Ano B - Vigésimo Nono Domingo do Tempo Comum

Leituras: Is 53,10-11; Heb 4,14-16; Mc 10,35-45

 

“Quem entre vós quiser tornar-se grande, será vosso servo,

e quem quiser entre vós ser o primeiro, será escravo de todos.”

 

Leitura do Livro de Isaías

Aprouve ao Senhor esmagar o seu Servo pelo sofrimento.

Mas, se oferecer a sua vida como vítima de expiação, terá uma descendência duradoura, viverá longos dias,

e a obra do Senhor prosperará em suas mãos.

Terminados os sofrimentos, verá a luz e ficará saciado.

Pela sua sabedoria, o Justo, meu Servo, justificará a muitos e tomará sobre si as suas iniquidades.

 

Leitura da Epístola aos Hebreus

Irmãos: Tendo nós um sumo sacerdote que penetrou os Céus, Jesus, Filho de Deus,

permaneçamos firmes na profissão da nossa fé.

Na verdade, nós não temos um sumo sacerdote incapaz de se compadecer das nossas fraquezas.

Pelo contrário, Ele mesmo foi provado em tudo, à nossa semelhança, exceto no pecado.

Vamos, portanto, cheios de confiança ao trono da graça, a fim de alcançarmos misericórdia

e obtermos a graça de um auxílio oportuno.

 

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos

Naquele tempo, Tiago e João, filhos de Zebedeu, aproximaram-se de Jesus e disseram-Lhe:

“Mestre, nós queremos que nos faças o que Te vamos pedir”.

Jesus respondeu-lhes: “Que quereis que vos faça?”

Eles responderam: “Concede-nos que, na tua glória, nos sentemos um à tua direita e outro à tua esquerda”.

Disse-lhes Jesus: “Não sabeis o que pedis. Podeis beber o cálice que Eu vou beber

e receber o batismo com que Eu vou ser batizado?”

Eles responderam-Lhe: “Podemos”.

Então Jesus disse-lhes: “Bebereis o cálice que Eu vou beber e sereis batizados com o batismo

com que Eu vou ser batizado.  Mas sentar-se à minha direita ou à minha esquerda

não Me pertence a Mim concedê-lo; é para aqueles a quem está reservado”.

Os outros dez, ouvindo isto, começaram a indignar-se contra Tiago e João.

Jesus chamou-os e disse-lhes: “Sabeis que os que são considerados como chefes das nações

exercem domínio sobre elas e os grandes fazem sentir sobre elas o seu poder.

Não deve ser assim entre vós: quem entre vós quiser tornar-se grande, será vosso servo,

e quem quiser entre vós ser o primeiro, será escravo de todos;

porque o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir

e dar a vida pela redenção de todos”.

 

 

Reflexão vicentina

As leituras deste domingo tratam do tema “liderança”.  Todos nós queremos ser líderes de algo: de nosso trabalho, de nossos grupos de referência, de nossos projetos sociais, de nossa família, da Sociedade de São Vicente de Paulo.  E isto é bom porque fazendo assim, podemos seguir os planos de Deus para nós.  Ser líder não significa querer ser melhores do que os outros, mas também não significa se deixar levar pelos outros.

 

Fala-se muito hoje em dia do “líder servidor”, daquele que serve a todos. Jesus vem dar uma nova interpretação a este termo.  Ser líder servidor não é, necessariamente, fazer o que todos querem que façamos.  No Evangelho, Ele faz uma pergunta intrigante: “podeis beber o cálice que Eu vou beber e receber o batismo com que Eu vou ser batizado?”

 

Ser líder servidor significa, portanto, beber do cálice que Ele bebeu, ou seja, é servir à Sua causa de salvação.  E isto vale para nós e para os que lideramos (os que Deus nos coloca no caminho).  Não queremos ser líderes servidores só para ser populares, ou para nos “diminuir” diante de todos.  Queremos ser líderes servidores para estar mais junto de Deus, da missão de Jesus no mundo.  Não queremos ser líderes servidores, tampouco, para “sentar à direita de Deus”, como pedem os apóstolos no Evangelho.  Esta decisão cabe a Deus e não a nós.  Mas, como Deus é o Pai Misericordioso, se demonstramos uma intenção genuína de “beber do cálice de Cristo”, certamente nos colocará junto Dele, tanto aqui na terra, quanto na vida eterna.

 

A dificuldade é saber o que significa “beber do cálice de Cristo” em nossa vida, nas circunstâncias específicas de cada um de nós (no trabalho, nos grupos de referência, nos projetos sociais, na nossa família e na SSVP).  É aí que entra a segunda leitura do domingo quando São Paulo diz aos Hebreus: “permaneçamos firmes na profissão da nossa fé. (...) Vamos, portanto, cheios de confiança ao trono da graça, a fim de alcançarmos misericórdia e obtermos a graça de um auxílio oportuno”.

 

Tenhamos fé e coloquemos nossas fraquezas e dificuldades de liderança nas mãos de Deus, porque Ele nos mostrará, no momento oportuno, o que quer de cada um de nós.  Pode ser que (como fez com São Vicente de Paulo e com o Beato Ozanam), Ele nos mostre em um momento de contemplação ao Santíssimo Sacramento ou em uma visita ao Pobre, nosso Mestre, ou em uma caminhada, ou em um momento de descanso.  O Espírito Santo nos mostrará no momento oportuno.  Basta que, como líderes servidores, nos tornemos líderes místicos e queiramos escutar o que, no fundo de nosso coração, Ele nos indique o que devemos sonhar, planejar, decidir e empreender.