Ozanet

Ano B - Trigésimo Domingo do Tempo Comum

A partir de Domingo, 24 Outubro 2021 até Sábado, 30 Outubro 2021

Ano B - Trigésimo Domingo do Tempo Comum

Leituras: Jer 31,7-9; Heb 5,1-6; Mc 10,46-52

 

“Que queres que Eu te faça?” O cego respondeu-Lhe: “Mestre, que eu veja”.

Jesus disse-lhe: “Vai: a tua fé te salvou”.  Logo ele recuperou a vista e seguiu Jesus pelo caminho.

 

Leitura do Livro do Profeta Jeremias

Eis o que diz o Senhor: “Soltai brados de alegria por causa de Jacob, enaltecei a primeira das nações.

Fazei ouvir os vossos louvores e proclamai:

‘O Senhor salvou o seu povo, o resto de Israel’. Vou trazê-los das terras do Norte

e reuni-los dos confins do mundo.

Entre eles vêm o cego e o coxo,

a mulher que vai ser mãe e a que já deu à luz. É uma grande multidão que regressa.

Eles partiram com lágrimas nos olhos e Eu vou trazê-los no meio das consolações.

Levá-los-ei às águas correntes, por caminho plano em que não tropecem.

Porque Eu sou um Pai para Israel e Efraim é o meu primogénito”.

 

Leitura da Epístola aos Hebreus

Todo o sumo sacerdote, escolhido de entre os homens, é constituído em favor dos homens,

nas suas relações com Deus, para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados.

Ele pode ser compreensivo para com os ignorantes e os transviados,

porque também ele está revestido de fraqueza; e, por isso, deve oferecer sacrifícios

pelos próprios pecados e pelos do seu povo. Ninguém atribui a si próprio esta honra,

senão quem foi chamado por Deus, como Abraão. Assim também, não foi Cristo que tomou para Si a glória de Se tornar sumo sacerdote; deu-a a Ele Aquele que Lhe disse: “Tu és meu Filho, Eu hoje Te gerei”,

e como disse ainda noutro lugar: “Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedec”.

 

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos

Naquele tempo, quando Jesus ia a sair de Jericó com os discípulos e uma grande multidão,

estava um cego, chamado Bartimeu, filho de Timeu, pedindo esmola à beira do caminho.

Ao ouvir dizer que era Jesus de Nazaré que passava, começou a gritar:

“Jesus, Filho de David, tem piedade de mim”. Muitos repreendiam-no para que se calasse.

Mas ele gritava cada vez mais: “Filho de David, tem piedade de mim”.

Jesus parou e disse: “chamai-o”.

Chamaram então o cego e disseram-lhe: “Coragem! Levanta-te, que Ele está a chamar-te”.

O cego atirou fora a capa, deu um salto e foi ter com Jesus. Jesus perguntou-lhe:

“Que queres que Eu te faça?” O cego respondeu-Lhe: “Mestre, que eu veja”.

Jesus disse-lhe: “Vai: a tua fé te salvou”.

Logo ele recuperou a vista e seguiu Jesus pelo caminho.

 

Reflexão vicentina

As leituras deste domingo continuam no tema da semana passada: a liderança mística e servidora.  Na semana passada, Jesus nos perguntava: “podeis beber o cálice que Eu vou beber?”.  E São Paulo disse aos Hebreus que se permanecermos na fé, obteremos

 

Neste domingo, o cego não se inibe com o fato de ninguém querer que ele chegasse perto de Jesus. Ele grita forte: “

 

Interessante que, como em outros casos também, Jesus não diz diretamente ao cego o que ele tinha que fazer.  Ele usa uma lógica socrática e pergunta ao cego: “

 

Jesus percebe que o cego queria ver sim, mas não era simplesmente ver as coisas do mundo.  Repare que ele chama Jesus por “Mestre!”.  Ele diz: “m O cego queria que o Mestre lhe ensinasse a missão que ele deveria seguir, se ele pudesse ver.  E Jesus diz uma frase belíssima: “vai: a tua fé te salvou!”  Como se dissesse: “você já enxergou mesmo antes do meu milagre, agora, Eu lhe dou a capacidade para ser meu servidor, através da visão”.  A partir daquele momento de cura, o cego seguiu incondicionalmente a Jesus.

 

Está muito claro que, para nós vicentinos, Jesus faz constantemente a mesma pergunta que fez ao cego.  Para que enxerguemos a Jesus e O sigamos, também nós devemos perguntar ao Pobre, nosso Mestre: “que queres que eu te faça”, mesmo que a resposta desta pergunta seja óbvia.  Com certeza, aprenderemos com a resposta do Pobre, o que Jesus quer que façamos para Ele (o Pobre) e para nós.